Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cinco Horizontes

Porque é importante não ter só um

Cinco Horizontes

Isto de ser mãe

É a coisa mais difícil que fiz.

 

Toda a ideia de ter um filho é assustadora, mas quando se toma essa decisão e se concretiza, a sensação é um misto de alegria, medo e muitas expectativas sobre o que vai ser, como vai ser, o que se vai fazer. Muito pouco corresponde ao que na verdade sucede, começando pelo decorrer da gravidez, passando pelo parto e terminando no dia-a-dia com o bebé.

 

E se, como no meu caso, sempre se foi uma pessoa muito necessitada do seu tempo, espaço e de períodos calmos e lhe calha na rifa um bebé cheio de energia, imaginem. Adoro o meu filho, mas há muitas vezes que me falta a paciência para tomar conta dele. Todo o processo de me convencer que não sou má mãe por causa disto é duro, muito duro.

 

Há vários baby-blogs na blogosfera portuguesa. Conheço alguns e leio ocasionalmente. Cada vez menos, porque me fazem sentir mal. Eu sei que o problema não é deles, é meu. Mas quando vejo textos melosos que jamais serei capaz de escrever, quando vejo as mil e uma coisas que fazem (ou dizem fazer), as milhentas atividades diferentes, as formas que arranjam de ajudar o bebé a evoluir, as mães perfeitas que aparentam ser, sinto-me deprimida. 

 

Mas é só até ver o meu filho sorrir para mim e ver-lhe os olhos a brilhar quando o vou buscar ao colégio ao fim do dia. Nessa altura, as inseguranças, os medos, o cansaço... todos eles desaparecem. Não sou má mãe, porque adoro o meu filho e faço o melhor que posso e lhe dou tudo aquilo que consigo. Fica a esperança que ele um dia tenha noção disso.

2 comentários

Comentar post